domingo, 25 de junho de 2017

Fui aos Saldos!

Olá pessoal!

Já viram que começaram os saldos? Confesso que ainda nem me tinha lembrado disso mas na sexta-feira perdi a cabeça e foi a loucura. Hoje venho mostrar tudo.

No início da semana tinha passado aqui pelo Fórum Aveiro e reparei que já havia uma ou outra loja com saldos mas nada de especial. Entrei, dei uma olhadela e saí sem gastos a pensar “Oh, este ano nem preciso de nada.” Saldos esquecidos, na sexta-feira saí de casa para ir à Pluricosmética buscar um verniz de proteção para as unhas e reparei que agora já estavam todas as lojas com saldos. Fui entrando, vendo uma ou outra peça que até gostava e o balanço final foi: 2 vestidos, 1 casaco, 1 blusa, 2 pares de calças, 1 sabonete esfoliante, 1 manteiga de corpo e 1 corretor de olheiras. Então e o tal verniz pelo qual saí de casa? Não trouxe porque não havia. Como é que passei de “nem preciso de nada” a isto? Não sei. Mas como podem ver continuo na minha mistura de preto com preto. 


Calças de Ganga Preta Zara - 29,95€ - 19,99€
 
 Calças enceradas Zara - 29,95€ - 19,99€

 Casaco de malha Leftis - 7€ - 3€

Vestido Leftis - 10€ - 4€

Vestido Canelado Mango - 17,99€ - 7,99€

T-Shirt Tiffosi - 14,99€ - 4,99€




E pronto, foram estas as comprinhas inesperadas. Como podem ver nenhuma delas foi cara, no entanto trouxe várias coisas. E agora sim, acho que não compro mais nada nos saldos deste verão. (sendo o 'acho' a parte importante da frase!! eheheh). Caso queiram ver melhor cada uma, todas elas têm o link na legenda.

Que acham das comprinhas? 
Gostaram de alguma em especial? Detestaram alguma?
Já andaram a fazer estragos no orçamento nos saldos?

domingo, 18 de junho de 2017

Concerto dos HIM no Porto.

Olá gente!!

O post de hoje é um bocadito diferente do habitual. Mas ontem tive uma das melhores noites da minha vida e resolvi partilhar convosco.
Antes que alguém comece a pensar em perversidades, tenho de explicar que a noite foi tão importante porque foi o tão aguardado concerto dos HIM no Hard Club


Para quem não conhece, os HIM são uma banda de rock/metal finlandesa, pela qual tenho uma grande panca desde os meus 18 anos.
Felizmente posso dizer que já vi todas as minhas bandas favoritas, algumas delas diversas vezes e já fiz loucuras de percorrer vários países atrás de determinada banda *cof cof* Nightwish *cof cof*, no entanto os HIM eram a única que me faltava. Aquele cromo raro da caderneta que ainda não tinha conseguido. Até ontem. 


Quando anunciaram o concerto ainda o ano passado, mal acreditei que iria mesmo ter a oportunidade de os ver e assim que os bilhetes foram colocados à venda corri para os comprar, ou seja dia 22 de Dezembro, com 2 bilhetes na mão, tinha praticamente 6 meses de espera pela frente. Entretanto lá consegui convencer o Konigvs a ir comigo (ok, acho que fiz alguma chantagem emocional!) e tudo parecia maravilhoso até vir o valente balde de água fria. Os Him anunciam o fim da banda no final do ano. E de repente o que era suposto ser uma experiência espetacular depois de 12 anos a ansiar por tal acontecimento, torna-se quase agridoce, pois este seria o primeiro e último concerto.
Claro que depois deste anuncio, os bilhetes esgotaram por toda a Europa e pela Internet viam-se ofertas quase milionárias por um bilhete, muitas delas sem importar onde era. Por muito tentador que possa parecer, não trocaria este concerto por nada!


Ora então, lá sobrevivi os seis meses de espera e ontem lá fui eu para o Porto, tão empolgada que mal parava quieta no comboio. Cheguei passava pouco das 10 da manhã (o espetáculo começava às 9 da noite) e fomos diretos ao Hard Club, onde estariam umas 10 pessoas cá fora, debaixo de um sol de 32º. Lá fui convencida a ir dar uma volta até à ribeira e fazer tempo até os restaurantes começarem a servir os almoços. Confesso que a fome não era nenhuma, eu queria era voltar para o Hard Club, mas lá tivemos um almoço agradável, com vistas interessantes e antes da 1 da tarde estávamos de regresso. 


Desta vez tinha exatamente 30 pessoas à minha frente. Não era o cenário ideal mas ainda não era trágico. As portas tinham finalmente aberto e em vez do sol tórrido, tínhamos agora o calor do interior do Hard Club. Isso e 8 horas de espera pela frente até à entrada para a sala. 8 Horas!!! Toca a sentar e ir travando conhecimento com a vizinhança. Foram 8 horas de calor mas pelo menos a conversa ajudou e às 21h em ponto começam a deixar entrar. Conseguimos uma honrosa 3ª fila, com vista completamente desobstruída para o palco e a cerca de 2 metros do microfone onde 2 horas depois, estaria Ville Valo a cantar. Mais uma horita de muitos nervos e lá vem a banda de abertura, os Kandia, que eu desconhecia por completo, apesar de ter gostado do som e da atitude da vocalista. Foi uma atuação curta e mais meia horita de espera. 

Até que tudo se apaga e saem Linde e Mige para o centro do palco, seguidos claro pelo próprio Ville. Foi o momento da loucura. 12 anos a desejar ver a banda que finalmente estava ali à minha frente e com o vocalista tão perto. Não vale a pena entrar em detalhes mas confesso que tive os meus momentos de groupie e chegar a invejar não apenas o microfone, mas também uma toalha usada pelo senhor. Começaram com uma das músicas mais queridas, a Buried Alive by Love e seguiram-se 2 horas de músicas bem conhecidas por todos os fãs da banda, focando-se nos sucessos mais antigos. Posso dizer que há uns bons anos que não delirava tanto com um concerto. Cantei, gritei e pulei como se não houvesse amanhã. Isto num calor insuportável dentro da sala, mas consegui-me abstrair disso e do cansaço até ao fim. Fim esse que a meu ver chegou depressa demais, com um cover bem conhecido da Rebel Yell do Billy Idol. 


Apesar de terem conseguido a proeza de tocar todas as minhas músicas favoritas, claro que me soube a pouco (se tivessem tocado a noite toda continuaria a saber a pouco!). Soube a fim. Mas valeu bem os 12 anos de espera por este concerto. Valeu bem as 8 horas de espera para entrar, mais as 2 horas de espera lá dentro. Valeu a pena até as dores de garganta hoje. Foi uma noite memorável!

Alguém por aqui foi ao concerto?
Há algum a que queiram muito ir?

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Experimentei... o iogurte Skyr

Acho que já mencionei aqui que sempre que vou ao supermercado gosto de trazer um produto alimentar novo para experimentar. O que significa que pelo menos uma vez por semana vem parar qualquer coisa nova aqui à despensa (ou ao frigorífico). Alguns passam a compra habitual, outros nem por isso. Então porque não falar aqui sobre eles? Digam-me o que acham da ideia.

Há uns dias coloquei no instagram a foto do meu lanche, o famoso iogurte Skyr da Arla, que anda nos frigoríficos de toda a gente nos últimos tempos e hoje quero deixar a minha opinião um bocadito mais a fundo.


Comecemos por saber que iogurte é este. Skyr é o iogurte típico da Islândia, trazido da Noruega ainda pelos Vikings, obtido através de leite magro pasteurizado, com a consistência de queijo fresco ou requeijão com alto teor de proteínas, quase sem matéria gorda e açúcares reduzidos. Pode vir em sabor natural ou sobre uma camada de polpa de fruta de vários sabores.

Recentemente chegou-nos a alguns supermercados e depois de ver tantos comentários ao dito cujo, lá me decidi a experimentar. Como não tenho nenhum Lidl por perto ainda não experimentei os da Milbona, mas encontrei os da Arla no Continente e trouxe dois sabores diferentes, um de framboesa e um de ginja. 


O que achei sobre eles? 
Comem-se mas não fiquei fã. Gosto da consistência cremosa, que faz lembrar os agora desaparecidos Danio da Danone, no entanto achei que a fruta apesar de ser suficiente para misturar em todo o iogurte, não lhe dá sabor suficiente. Continuo a achá-lo demasiado azedo. Claro que isto pode-se resolver ao adicionar açúcar, mel, stevia, doce, o que quiserem, no entanto lá vai disparar a quantidade de calorias, que já não é assim tão baixa. No entanto, uma coisinha destas a meu ver vale por uma refeição. Depois de comer um destes iogurtes ao fim da tarde juntamente com uma barra de cereais, posso dizer que fiquei sem fome a ponto de nem jantar. Claro que isto não substitui refeições!! No entanto o erro foi meu de o comer tão tarde, isto por volta das 16h seria o ideal para me manter saciada até à noite. 


Como já referi, os iogurtes skyr começam agora a encontrar-se pelos supermercados, nomeadamente no Lidl (Milbona), Continente e Jumbo. Estes da Arla (Continente) existe o natural, de framboesa, de alperce e espinheiro, de mirtilo e de ginja. São embalagens de 150g, que contam 120 kcal e custam cerca de 1€.

Já experimentaram? O que acharam sobre eles?

sábado, 3 de junho de 2017

Como escolher o protetor solar?

Olá meus amores!

O Verão está mesmo a chegar e acho que falar na proteção solar nunca é demais. Esta deve ser usada todo ano, no entanto agora é imperativa!
O problema é que a oferta é tanta que muitas vezes nem sabemos bem o que escolher ou quais as melhores opções de acordo com a nossa pele. Hoje vou tentar dar uma ajuda sobre os protetores solares de corpo e rosto.

Corpo



Aqui a variedade é tanta que qualquer pessoa fica confusa, há centenas de marcas, imensos fatores de proteção solar (FPS), que vêm em creme, loção, spray, gel e sabe-se lá mais o quê. Quantas vezes dou por mim no supermercado, nas farmácias e até nas perfumarias a pensar “E agora o que raio é que levo?” O que Convém começar por explicar que até o protetor mais baixo, como o FPS 15 dá uma proteção contra os raios UVB de mais de 93%, os FPS 30 sobe para os 97%, os FPS 50 tem proteção de 98% e os 50+ dão 99%. Ou seja, é importante deixar claro é que não existem protetores solares que protejam a pele a 100% por isso todas aquelas recomendações importantes de horários de exposição solar, uso de roupa, chapéus, etc nunca devem ser esquecidas, mas já lá volto.

 Sendo a proteção tão idêntica, que FPS é que devemos escolher?

Tudo depende da nossa pele, no entanto a ideia é simples, quanto mais clara a pele, maior deve ser o fator de proteção, por isso podemos (e devemos) começar o verão com um fator mais elevado e diminuir depois de já estarmos devidamente bronzeados.

FPS até 15
Para peles negras ou muito bronzeadas

FPS 15 a 30
Para peles um pouco morenas (Ideal para usar no fim do verão quando já estamos bronzeados. Pessoalmente é o que uso durante o Inverno também.)

FPS 30 a 50
Para peles mais claras, com tendência a queimar facilmente ou a ganhar sardas.

FPS 50+
Para peles muito brancas e sensíveis à exposição solar.


Rosto

Ora então e em relação ao rosto? Devemos usar um protetor específico?

Uma grande parte dos protetores solares dizem que podem ser aplicados no corpo e rosto. Nesse caso porque é que devemos gastar dinheiro noutro só para essa zona? A resposta é simples, a pele do rosto é bastante mais sensível e por norma requer cuidados específicos para cada tipo. A proteção é exatamente a mesma, o que muda é mesmo a textura e aí sim, devemos mesmo adaptá-la tal como fazemos com todos os outros produtos que usamos na face.

Pele mista a oleosa
Uma boa solução para controlar a oleosidade é o uso de protetor em gel ou gel-creme, que se apresentam como oil free, matificante, sem brilho ou de toque seco.

Pele seca ou sensíveis
O truque neste caso é o contrario da anterior. Os cremes e loções e hidratantes, cremosos e nutritivos são a melhor aposta.

Pele normal
Costumo dizer que são as peles sortudas que podem usar tudo. Neste caso não há necessidade de usar gel ou cremes nutritivos, bastando o creme ou loção normal, embora possa usar também os sprays.

Posto isto, penso que a escolha ficará agora um pouco mais fácil. No entanto nunca é demais deixar aquelas regras básicas:

  • O protetor deve ser sempre aplicado cerca de meia hora antes da exposição solar.
  • Deve-se evitar sempre a hora de maior calor, entre o meio dia e as 4 da tarde.
  • Convém escolher protetores à prova de água, mesmo não estando na praia, já que resistem melhor à transpiração.
  • O protetor deve ser aplicado a cada 2 horas. Pessoalmente aplico também depois de cada ida à água, mesmo sendo à prova de água.
  • Como disse antes, a proteção não é a 100%, não se esqueçam de usar chapéu, t-shirt, óculos ou tentar arranjar locais com sombra
  • Depois da exposição solar convém usar um after sun.
  • E já agora, não tem a ver com os protetores solares, mas não se esqueçam de ir bebendo muita água nos dias de maior calor.
     
     
    E vocês? Como fazem a escolha?
    Gostam destes posts mais informativos?